Banner.jpg

Entrevista 1 - Porto Alegre na fotografia

Você conhece fotógrafos que fizeram a história de Porto Alegre, que registraram a história de Porto Alegre ? 

índice.jpg

JORGE LEÃO é biólogo , professor e Repórter fotográfico. É Porto-alegrense de 50 anos, sendo que há 23 anos exerce a profissão de fotógrafo registrando as transformações urbanas da cidade de Porto Alegre e acontecimentos fotojornalísticos.

   Herdou o hobby da fotografia de seu avô materno Juvenal Leão, que também registrava as transformações urbanas da cidade de Santos – SP.       

   Atualmente faz parte da diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS – SINDJORS ( Núcleo de Imagem ), é associado da ARFOC – Associação dos Repórteres Fotográficos do RS , também foi  presidente e sócio fundador  do Foto Clube Porto-alegrense , sediado na mesma cidade.  

Lund.jpg

GUILHERME LUND trabalha com fotografia desde a década de 1990, transitando em trabalhos nas áreas de publicidade, fotografias de bens culturais e acervos fotográficos, além de participar de exposições e publicações na área das imagens.

   É mestre em Design. De 2006 até 2019 trabalhou como  professor de da Escola Superior de Propaganda e Markenting (ESPM-Sul), ministrando  aulas de técnicas, linguagem e projetos relacionados à fotografia.

Eneida Serrano.jpg

   Eneida Serrano, jornalista desde 1974, coautora dos livros Santa Soja e Ponto de Vista. Fotógrafa das revistas Veja, Isto É, Marie Claire e outras. Fez várias viagens internacionais para essas revistas (Escandinávia, Japão, Ilhas Maldivas, Antártida e outras), exposições individuais e coletivas. 

   Interiores, na galeria Bolsa de Arte de Porto Alegre, é sua principal exposição (prêmio Açorianos, 2007). Pesquisou a história de pioneiros da fotografia no RS, fez o livro Lunara Amador 1900  e o curta metragem Sioma ,o Papel da Fotografia  (Prêmios Festival Gramado e Arquivo Nacional).     Tem fotos na coleção Pirelli/MASP, no Itaú Cultural e no Museu do Trabalho de Porto Alegre. Usa com frequência a câmera do fone celular em projetos autorais: a democratização da atividade, o exercício constante da linguagem e a valorização do olhar, e não a do equipamento, são seus principais objetivos.

   Além de fotografar, Eneida dedica-se à organização de seu arquivo fotográfico, que reúne quase 50 anos de trabalho, para fazer um livro.