WhatsApp Image 2022-05-06 at 19.07.04.jpeg

Encontro3 - Fotografias e afeto: o que nos motiva a colecionar ?

Para a fotógrafa portuguesa Paula Nobre, a fotografia como lugar de afetos parte do pressuposto de que o sujeito articula livremente os símbolos que compõem as estruturas sociais convencionais, dos quais se apropria e manipula, em função das suas necessidades afetivas e cuja produção resulta na existência de algo que dê sentido à sua noção da realidade. A fotografia tem o poder de fixar, congelar, resgatar e acima de tudo imortalizar o instante. Seguramente, a fixação do instante/gesto e seu transcurso para o objeto fotográfico altera, enriquece e torna possível o que na realidade é impossível. A tradução da realidade quotidiana em objeto (fotografia) transforma a banalidade do gesto e o faz ecoar de uma forma nunca vista. Esse instante fixado para a eternidade talvez seja uma das motivações para iniciarmos uma coleção. O encontro fotografia e afeto: o que nos motiva a colecionar, tentará responder essa e outras perguntas. Para isso contaremos com as brilhantes participações de Alexandre Sequeira e Fernando Rabelo, que serão recebidos pelos fotoclubista Clayton Ferreira. Participe!

Clayton Ferreira.jpg

CLAYTON FERREIRA

Clayton Ferreira é biólogo e artista visual. Professor há mais de 30 anos e mentor em fotografia autoral, escolheu a fotografia como seu meio de pesquisa artística.  É membro fundador do Coletivo de Artistas Studio Jardim, onde desenvolve pesquisa sobre as inter-relações entre arte, ciência e natureza. Sua formação artística também inclui experimentações em desenho, aquarela, pintura a óleo, etc. Tem participado de diversas exposições, tanto coletivas quanto individuais.

https://www.instagram.com/claytonferreiraart/

https://claytonferreira.art.br/

Fernando rabelo por viviane pedroso 02 de Maio de 2020_.jpg

FERNANDO RABELO MG


  Nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, Fernando Rabelo viveu sua infância no Chile e na França durante o exílio do pai. Ainda adolescente, iniciou sua carreira fazendo flagrantes do cotidiano de Paris onde cursou fotografia. Aos dezessete anos, com a anistia política, Fernando retornou ao Brasil. Trabalhou para os principais jornais do país, como o jornal Folha de São Paulo e O Globo. Durante treze anos trabalhou como fotógrafo do Jornal do Brasil e depois como Editor de Fotografia.
  Regressou à França em 2005-06, onde realizou o seu ensaio intitulado 'Imagens de um Flâneur Brasileiro em Paris', que foi exibido em quinze capitais brasileiras. Fernando Rabelo é autor do livro Tributo à Lagoa, uma coletânea de imagens de sua autoria sobre a Lagoa Rodrigo de Freitas no Rio de Janeiro. Editado em 2000, o livro teve seis edições esgotadas.
  Durante toda a década de noventa retratou a música popular brasileira,realizou a exposição “Foco na MPB”, que percorreu várias capitais brasileiras, além de Paris, Lyon e Marselha. Em 2014, lançou o livro Cores e Luzes de Belo Horizonte, trazendo uma bela homenagem visual à capital mineira, abrangendo as principais atrações turísticas e os aspectos mais representativos da cidade. Atualmente é editor do blog Images&Visions e de perfis no Facebook, e no Instagram, todos especializados em fotografia.

 

Foto Pessoal_Alexandre Sequeira_Crédito Irene Almeida.jpg

Alexandre Romariz Sequeira, Belém-PA.

 

   Artista visual, Doutor em Arte pela UFMG e professor da Graduação e Pós-Graduação no Instituto de Ciências da Arte da UFPa. 

   Desenvolve trabalhos que estabelecem relações entre fotografia e alteridade social, tendo participado de Encontros de Fotografia, Seminários e Exposições no Brasil e exterior. 

Tem obras no acervo do Museu da UFPa, Espaço Cultural Casa das 11 Janelas, Coleção Pirelli/MASP, Museu de Arte do Rio/MAR, Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul/MACRS, Museu da Fotografia/CE, Coleção de Fotografia da Associação Brasileira de Arte Contemporânea/ABAC e Biblioteca Nacional da França/Bnf.